26 maio, 2006

o convite


Não me importa o que você faz para sobreviver. Quero saber qual a sua dor e se você tem coragem de encontrar o que o seu coração anseia.

Não me importa saber sua idade. Quero saber se você se arriscaria parecer com um louco por amor, pelos seus sonhos, pela aventura de estar vivo.

Não me importa saber quais planetas estão quadrando sua lua. Quero saber se você tocou o âmago de sua tristeza, se as traições da vida lhe ensinaram, ou se omitiu por medo de sofrer.

Quero saber se você consegue sentar-se com as dores, minhas ou suas, sem se mexer para escondê-las, diluí-las ou fixá-las.

Quero saber se você pode conviver com a alegria, minha ou sua, se pode dançar com selvajaria e deixar o êxtase preenchê-lo até o limite sem lembrar de suas limitações de ser humano.

Não me importa se a estória que você me conta é verdadeira.

Quero saber se você é capaz de desapontar o outro para ser verdadeiro para si mesmo, se pode suportar a acusação da traição e não trair sua própria alma.

Quero saber se você pode ser fiel e consequentemente fidedigno.

Quero saber se você pode enxergar a beleza mesmo que não sejam bonitos todos os dias, e se pode perceber na sua vida a presença de Deus.

Quero saber se você pode viver com as falhas, suas e minhas, e ainda estar de pé na beira do lago e gritar para o prateado da lua cheia.... "Sim"!

Não me importa saber onde você mora ou quanto dinheiro tem.

Quero saber se você pode levantar depois de uma noite de pesar e desespero, exausto, e fazer o que tem de fazer para as crianças.

Não me importa saber quem você é, ou como veio parar aqui. Quero saber se você estará ao meu lado no centro do fogo sem recuar.

Não me importa saber onde, o que, ou com quem você estudou. Quero saber o que sustenta o seu interior quando todo o resto desaba.

Quero saber se você pode estar só consigo mesmo e se verdadeiramente gosta da companhia que carrega em seus momentos vazios.

Feliz caminhada a todos...

Desejo que encontrem a coragem e sabedoria para serem verdadeiros consigo mesmos.
Obrigado por permitir-me partilhar um presente...

Oriah Mountain Dreamer (Um Ancião Nativo Americano)


Bom fim-de-semana

19 comentários:

Liliana disse...

Colori palavras, rodopiei e não sei como dizer.
Sim, posso apenas sorrir... e agradecer.

Bom fim de semana

ordePadamaR disse...

Falas sobretudo de compromisso..
É uma palavra muito importante pela imensidão que transporta.

greentea disse...

deslumbras-me!!!!

bom fim de semana. Com mil sorrisos e "pássaros a entoarem hinos de madrugada nos capinzais"... )Poesia Africana)

Jardineira aprendiz disse...

Lindo! Quem me dera poder fazer essas coisas todas!

Jardineira aprendiz disse...

Olha vou roubar, posso? Para enviar por mail a uns amigos? Com a devida, merecidíssima referência ao local de onde tirei!
Jinhos

Mem Gimel disse...

Um Bom fim de semana.

Palavras bonitas.

Bjos

bettips disse...

Pois ... ficamos assim sem jeito, com tanto jeito, cor e poesia. Ela merece mesmo aquele nosso abraço especial, agradecendo tanto desvêlo, por nós que a visitamos e a admiramos.
Até já ...

perola&granito disse...

Bom fim semana.

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Para tamanha liberdade, há um preço a ser pago e toda liberdade implica em responsabilidade em mesmo peso e medida. Por vezes há estranhezas e dúvidas entre o que pode ser aceito como saudável ou o que acaba por ser entendido convenientemente como sendo quase louco... Doideiras talvez, por ser uma palavra de menos peso e quem sabe mais 'divertida' e fácil de ser aceita...
No entanto, quando vamos percebendo que para viver e viver bem, precisamos cada vez de menos, menos, menos, nos damos conta então de que metade de nossas vidas foi uma corrida em função do adquirir e a outra, para nos desfazermos do peso... Tive oportunidades que poucos podem ter, de ver de perto a grandeza da vida indígena. Pude ter boa educação e tive uma família que me deu conhecimentos variados, para poder optar e seguir minhas vontades, dentr do que acredito ser o melhor para mim e o que me cerca, mas asseguro que seguir assim e tentando uma aproximação do conteúdo das linhas desse grandiosas palavras, há que se ter muita coragem e desprendimento. Há que se ter coração!!!

Beijinhos
Cris

ruth iara disse...

Estas imagens e palavras são algo que fazem meu fim de semana melhor.
Tuas águas serenas me acalmam e se em alguns casos fiquei entre o sim e o não nas respostas interiores é sinal que há um caminho pela frente.

Beijos!
Felicidades!

Su disse...

gostei desse querer saber
amei as fotos
jocas maradas

Teresa Durães disse...

pois pois

Helder Ribau disse...

é optimo passear nestes textos

Isabel José António disse...

São seres de coluna direita
Os que sofrem sem um lamento
Que quando a madrugada espreita
Se vão nas asas do vento

Com lágrimas lambem as feridas
Com o coração abrem caminhos
Nunca as rotas dão por perdidas
Semeiam a paz e todos os carinhos

Procuram dentro de si o Universo
E já sabem as veredas de cór
Dizem: Não! a tudo o que é preverso
Dão-se em dádivas de puro amor

Não fazem contas à vida e sabem
Que a vida é que as faz e desfaz
E têm a inocência dos que bebem
Toda a luz, das manhãs e da PAZ

E quando as forças lhe faltam
Não olham para trás no caminho
Enchem a alma de vida e saltam
Para outro nível de amor e carinho

São seres claros e amorosos
Sua aura é toda Luz e entrega
Enviam seus raios luminosos
Luz e vida sem qualquer regra.

Muitos parabéns, minha querida amiga Sa.ra, pela qualidade dos textos que vais postando.

Para mim são inspiradores e inspirados.

Um abraço.

José António

Era uma vez um Girassol disse...

Comentar? Não posso, é lindo demais! Difícil de conseguir...
Obrigada pela partilha dum texto que nos faz meditar e querer ser assim...
Bjinho

sofyatzi disse...

Lindo. Simplesmente LINDO!!!!

Uma boa semana ;)

jorgesteves disse...

Um libelo de Fraternidade espantosamente poético!...

amizade,
jorgesteves

greentea disse...

é hoje o grande dia?

ou fica para amanhã dia mundial da criança que há em nós?...

beijinhos

se a resposta fôr o silêncio , já sei que é!

Ohniar disse...

Talvez o maior segredo,
E seguramente,
O tesouro mais bem guardado
Nós mesmos,
Está lá tudo.

Esta procura escalada
Por entre nevoeiro e tempestades,
Espero saborear o caminho,
E deliciar-me quando caio.

E assim o desejo a todos,
Que procuram...
A todos sem excepção